Depoimentos

Daniel do Amaral C. Cerdeira

Eng. Química – UFPR

Dinamarca

30/08/2008 a 29/03/2009 <br /> 7 meses


Desde a época em que eu retornei de um programa de trabalho remunerado no exterior tive a certeza de que este não seria o único. O programa da IAESTE se enquadrou em tudo o que eu precisava. Eu queria fazer um estágio na Europa, relacionado com a minha graduação, sem me preocupar com a parte financeira enquanto estivesse fora.

Por quê decidi ir para a Dinamarca? Muitos fatores vieram a minha cabeça, mas os principais foram a duração do programa (7 meses), a língua necessária em meu trabalho (inglês) e o país (pouco escolhido entre os brasileiros). E o resultado de tudo isso? Uma experiência maravilhosa em um país surpreendente.

Esta foi uma oportunidade única que tive para conhecer vários países europeus, aperfeiçoar o meu inglês, além de, é claro, dar um diferencial na minha carreira. Não pensem que atualmente somente uma boa universidade é o suficiente. Em um bom currículo já devemos reservar um espaço às experiências no exterior. E por quê não aliar este espaço a uma experiência profissional em nossa área de atuação? Estes foram alguns fatores que vieram a minha cabeça e fizeram-me decidir na escolha deste programa.

Os primeiros pensamentos que tive após desembarcar no aeroporto de Copenhagen foram: “E agora? Por quê não fiquei no Brasil? O que é que eu fui fazer?” Cheguei em um lugar totalmente diferente para mim, sem conhecer ninguém nem a língua nativa, pois por mais que o inglês seja conhecido pela maioria da população local a língua nativa é o dinamarquês. Então fui, levando as minhas malas, da estação de trem do aeroporto para a estação central onde encontraria um membro da IAESTE. Mesmo assim o medo era grande, foi assim durante a primeira semana inteira tendo que regularizar a minha situação no país e conhecendo o pessoal do meu emprego. Mas não podia ser diferente. Em uma viagem dessas, você deve estar pronto para tudo e se algo der errado não adianta reclamar, você deve parar para pensar na melhor solução possível rejeitando ao máximo a sua volta ao país de origem. Se eu decidi, e tive de investir também, que ficaria 7 meses trabalhando por lá, não seria qualquer situação que me faria retornar.

Se você tem o investimento inicial para um programa desses, a pergunta que eu faço é: “VOCÊ realmente QUER fazer ESTÁGIO em determinado país?” Quem deve querer realmente viajar é você. Se estiver escolhendo ir porque algum amigo está lhe convencendo, ou algum parente diz que será o melhor para você não vá. A escolha deve partir de você. E não pense somente que será uma viagem a lazer de tantos meses na Europa, pois o seu visto e o seu propósito inicial estão ligados ao estágio e existem pessoas no seu emprego que necessitam de seus resultados.

 Eu digo isto porque este programa é uma ótima oportunidade de se unir uma experiência de vida a uma profissional, mas tudo depende de como cada um lida com as situações. A mesma viagem pode ser ótima para mim e péssima para outra pessoa.

Bom, em meu trabalho todas as pessoas eram maravilhosas, muito atenciosas e simpáticas. Isto ajudou, e muito, o tempo que fiquei morando por lá. Inicialmente eu morava em uma residência de estudantes. Tinha um quarto único e dividia a cozinha com outras pessoas de diversas nacionalidades (Polônia, Noruega, Austrália, Eslovênia,...). Muitas viagens na Europa foram com amigos que eu fiz na residência onde eu morava, sem contar as festas durante os finais de semana que eu permanecia na Dinamarca. Além de viajar para locais bastante conhecidos em paises como França, Inglaterra e Alemanha também conheci países como Noruega e Eslovênia, graças a amizades feitas na Dinamarca.

Os dinamarqueses são um pouco fechados diariamente, mas totalmente extrovertidos e engraçados quando estão bebendo cerveja, comendo pizza e fazendo festa. Existem vários castelos em seu território, podendo ser alcançados pelo ótimo e confortável sistema ferroviário. Em Copenhagem existem diversas barracas vendendo o tradicional cachorro-quente dinamarquês, mas não se assuste pelo tamanho e pelo preço pago. É muito pequeno comparado aos encontrados por aqui. Com relação ao transporte atenta-se pela extrema importância das bicicletas. Existem ciclovias em todos os lugares e os carros respeitam mais os ciclistas do que os pedestres! Com relação aos pontos turísticos destacam-se a Pequena Sereia (Little Mermeid), a Stroget (rua de pedestre mais longa do mundo composta por bares, cafés, lojas famosas, entre outros), o parque Tivoli e vários castelos, dentre eles o castelo de Kronborg que é o castelo do Hamlet de Shakespeare

Durante os 7 meses cada dia era único. Tive de aprender as mais diversas tarefas, desde coisas simples do dia a dia como pegar um ônibus e cozinhar até fazer mochilão e planejar viagens para lugares que não tinha a mínima idéia de como eram. Fiz grandes amizades e pretendo mantê-las para sempre.

Uma simples escolha pode mudar o seu futuro. Mas se informe, corra atrás e queira mais do que tudo! O resto é conseqüência do seu esforço e no final tenho certeza de que achará tudo incrível como eu penso hoje. Se voltasse atrás e pudesse escolher como tudo seria durante o período de 7 meses que estive na Dinamarca, escolheria fazer tudo, novamente, do mesmo jeito que eu fiz. Não me arrependo de nada!

Veja Também: